A Covid-19 alterou os funerais. Isso é prejudicial ao Espírito?

Funeral e Espiritismo

Com a Covid-19 os funerais foram suspensos ou ficaram muito rápidos. Como fica o Espírito?

A pandemia provocada pelo novo coronavírus alterou muitos aspectos de nossa rotina. Isolamento social e hábitos de higiene são dois deles, bastante visíveis e presentes na rotina de todas as famílias.

No entanto, há outra tradição que foi drasticamente alterada pela Covid-19, sendo sentida apenas pelos familiares das vítimas da doença: a ausência de funeral – ou, na melhor das hipóteses, uma despedida breve, principalmente quando comparada com a forma tradicional como nos despedíamos dos desencarnados.

Essa alteração gera algum prejuízo ao Espírito que retorna ao Plano Espiritual? Acompanhe e saiba mais!

Covid-19 altera rotina e tradições

As restrições adotadas para prevenção ao novo coronavírus estão mexendo com tradições de famílias em todo o mundo. Visando atender as normas sanitárias, durante a pandemia, as despedidas dos parentes que desencarnaram são breves e íntimas, quase sem tempo para homenagens. Além disso, os pouco presentes devem usar máscaras e manter a distância mínima uns dos outros.

Assim estão sendo os sepultamentos daqueles que deixaram as vestes carnais em decorrência de complicações ao novo coronavírus.

Para quem fica, nada de abraços reconfortantes. Para quem vai, nada de cerimônias longas.

Para a professora Maria Helena Pereira Franco, coordenadora do Laboratório de Estudos e Intervenções sobre Luto (PUC/SP), os rituais nesse momento são importantes por fornecer espaço para expressão de emoções e para que as pessoas possam se apoiar nesse momento. Em entrevista à Agência Brasil, a especialista afirmou que  “com a covid -19, esses rituais, que tinham função apaziguadora, organizadora, não estão acontecendo, e isso representa um risco para o luto complicado após a morte, porque não foram feitas as despedidas”.

Segundo Maria Helena, esse fato pode refletir na saúde mental e física dos parentes que ficam, gerando consequências como alterações no sistema imunológico, deixando-o mais fraco e a sensação de que o fato não ocorreu, em virtude da falta de oportunidade de se despedir.

Cada pessoa tem uma forma de lidar com esse momento, sendo que alguns têm maior dificuldade. Por isso, a recomendação é que os familiares usem os meios virtuais para uma reunião online, onde todos possam se expressar e demonstrar o luto.

Nessa reunião também será possível demonstrar que a pessoa querida não está “saindo” da vida dos familiares sem ser notada. Demonstrar de que modo o ente querido que partiu faz falta para os que continuam na jornada terrestre é reconfortante, afirmam especialistas.

 

Doutrina Espírita e funerais

Entre tantas belezas trazidas pelos ensinamentos espíritas, a constatação de que a morte nada mais é do que um ponto final para o corpo físico e que os Espíritos que se amam se reencontrarão no futuro é uma das mais belas e consoladoras!

Mas a falta de um ritual de despedida no momento da morte física pode afetar o Espírito desencarnante?

Em O Livro dos Espíritos, Livro Segundo, Capítulo IX, questão 326, Kardec pergunta aos Espíritos se a alma que volta à vida espiritual é sensível às honras que tributam aos seus despojos mortais. Vejamos a resposta recebida:

Quando o Espírito já chegou a um certo grau de perfeição, não tem mais vaidade terrestre e compreende a futilidade de todas as coisas. Sabei porem, que frequentemente há Espíritos que, no primeiro momento da morte gozam de grande satisfação com as honras que lhes tributam, ou se desgostam com o abandono a que lançam o seu envoltório, pois conservam ainda alguns preconceitos deste mundo.

Em outras palavras, o funeral e todo os rituais que possam envolvê-lo é indiferente aos Espíritos mais esclarecidos, mas pode ser importante aos que ainda são ligados à matéria e sua tradições.

No entanto, a Codificação Espírita nos ensina que após o desencarne, de modo geral, os Espíritos passam por um período de perturbação onde ficam “adormecidos” e, assim, não acompanham alguns acontecimentos ligados ao seu desencarne. Além do mais, devemos lembrar que Espíritos mais preparados e, em muitos casos até entes queridos já desencarnados, acompanham o momento do desencarne, exatamente para oferecer apoio ao desencarnante e familiares.

Ninguém está desamparado, portanto. Nem os que estão encarnados, nem os que partiram!

Funerais em tempos de Covid-19 e Espiritismo

Diante do exposto, com base na coerência doutrinária proposta pela base kardequiana, podemos concluir que mesmo com os funerais ultra rápidos, desencarnados e familiares estão sendo amparados para suportarem esse momento difícil.

Além disso, as preces proferidas em favor dos que retornaram ao Plano Espiritual e dos familiares que continuam a jornada terrena têm o mesmo valor feitas no cemitério ou em nossas casas; durante o velório ou após sua  conclusão – elas podem ser feitas por todas as pessoas que desejarem e, quando proferidas com sinceridade, alcançarão todos aqueles que mentalizamos.

Não significa que seja fácil uma despedida nos moldes atuais. É muito importante que possamos elevar nosso pensamento em benefício dos entes queridos que partiram e dos que ficaram com a saudade. E, ainda, incluir em nossas vibrações diárias todas as “vítimas”da Covid-19 e seus familiares.

Estamos vivendo um momento muito delicado e, entre tantas lições, ele está nos convidando à união. Podemos aproveitar esse difícil aprendizado para elevação de nossos Espíritos – ou podemos apenas reclamar, sem tirar proveito algum: a escolha é nossa!

Não sabemos até quando vai durar essa pandemia, mas os especialistas afirmam que ainda teremos muitos desencarnes (e funerais rápidos) e um deles poderá ser de alguém próximo a nós. Em momentos assim, mais do que nunca, a Doutrina Espírita é elemento essencial por fornecer informações racionais (pautadas na  ciência) e, acima de tudo, pelo consolo oferecido com a constatação de que a morte nada mais é do que uma mudança de plano – mas mesmo assim, claro, devemos tomar todos os cuidados possíveis para a preservação da vida física.

Desejamos a todos muita fé, saúde e esperança diante desse aprendizado trazido pela Covid-19. E sugerimos que acompanhem outros posts em nosso blog, como os que selecionamos a seguir:
5 filmes para assistir com a família durante a quarentena
Porque o Espiritismo nos ajuda a superar as dificuldades

 

Deixe uma resposta