Tira Dúvidas sobre o Espiritismo? No Gabi tem!

Visando proporcionar respostas às muitas dúvidas que, sabemos, rondam a mente de quem está começando a ter contato com a Doutrina Espírita, realizamos uma Live Especial: Tira Dúvidas sobre o Espiritismo.

Na ocasião, a equipe do Gabi – Centro Espírita Gabriel Ferreira, localizado na zona norte de São Paulo – respondeu questionamentos enviados por várias pessoas.

Acompanhe a seguir as perguntas e respostas – não nomearemos os participantes responsáveis pelas questões por uma questão de privacidade.

Tira Dúvidas sobre o Espiritismo – quem sabe você está buscando essa resposta também!

# 1 – É possível um Espírito entrar no corpo do médium, igual ocorre no filme Ghost?

Não, isso não ocorre. O corpo físico pertence ao médium que funciona como uma ponte entre o Espírito desencarnado e o mundo material. De acordo com as informações de Allan Kardec, o Espírito comunicante fica próximo ao médium (ao lado, atrás) e, através do pensamento transmite sua mensagem.

# 2 – Quando pequena eu via Espíritos, mas pedi para não ver com tanta frequência. Quando adulta passei a sonhar com fatos que acontecem. Pode ter sido uma substituição às visões que pedi para não ter? As visões podem retornar?

É natural que até cerca dos 7 anos as crianças interajam com os desencarnados – o amigo invisível, muitas vezes, pode ser um Espírito que a acompanha nas brincadeiras. Com o passar dos anos, à medida que vai crescendo, esse contato visual e auditivo, acaba. Poderá retornar na fase adulta, na forma de mediunidade.

Assim, os sonhos não são uma substituição às visões da infância, mas uma possível mediunidade ocorrida na emancipação da alma. O estudo da Doutrina Espírita é essencial para entender melhor o fenômeno e lidar com ele.

 # 3 – Existem muitas mensagens supostamente enviadas por Espíritos Superiores falando sobre a pandemia. O que achar delas?

É preciso avaliar cada uma delas, comparando-as com os ensinamentos contidos na Codificação Espírita e passando pelo crivo da razão. Infelizmente, até o momento, as que pudemos avaliar demonstram equívocos doutrinários graves – por isso, tenha atenção a esses conteúdos e aproveite oportunidades para tirar dúvidas sobre o Espiritismo.

# 4 – Uma pessoa que tem mediunidade pode optar por não exercê-la? Terá algum prejuízo com isso?

O livre arbítrio será sempre respeitado .Assim, o médium poderá escolher entre a prática mediúnica ou não, sem que haja algum resultado negativo em sua vida por conta dessa escolha. Lembramos, contudo, que trata-se de um trabalho importante e que oferece benefícios a quem participa do intercâmbio em uma reunião bem estruturada.

Mas é preciso se preparar para a tarefa, estudando os conceitos doutrinários. No caso de optar por não executar esse tipo de trabalho, há muitos outros de igual importância que podem ser executados.

# 5 – É possível ter pressentimento sobre um acontecimento, como a morte (desencarne) de uma pessoa e, também, sentir energias de um ambiente? E sentir o cheiro da pessoa querida no momento em que ela desencrna?

Sim, é possível. O pressentimento é uma espécie de mediunidade que todas as pessoas possuem. Algumas com frequência, outras em situações específicas – como no momento do desencarne de um ente querido ou em relação a alguma situação do dia a dia.

Isso ocorre porque o mundo material e o espiritual estão em constante intercâmbio e, assim, podemos captar alguma “mensagem” transmitida por Espíritos amigos. Da mesma forma,  podemos captar as energias (boas ou não) do ambiente que estamos, geradas pelos encarnados e desencarnados que ali estão.  Em ambos os casos, uma prece sincera pedindo equilíbrio, ajudará bastante.

Sim, é possível sentir o cheiro do ente que parte para a Espiritualidade. Pode ser o próprio Espírito que passa para se despedir ou uma forma do Espírito que fica captar aquele momento de partida.

# 6 – Esquizofrenia e Mediunidade são a mesma coisa? Uma pessoa que trata esse distúrbio pode trabalhar mediunicamente?

Essa é uma dúvida sobre o Espiritismo que precisa ser bem esclarecida para evitar problemas.

A esquizofronia é um distúrbio orgânico e, como tal, deve ser tratado por profissional capacitado para isso – ainda que preces e passes possam/devam ser usados em benefício da pessoa.

Mesmo que haja semelhança, como ver pessoas ou ouvir vozes, é diferente da mediunidade que é algo natural e que não causa nenhum problema ao médium esclarecido e que atua em uma reunião equilibrada. Por isso, deve-se ter muito cuidado e não misturar as duas situações ou colocar uma pessoa em tratamento para trabalhar mediunicamente.

# 7 – Como distinguir um fenômeno mediúnico autêntico de uma criação mental/imaginação?

O estudo da Doutrina Espírita e a participação em um grupo mediúnico sério darão a segurança e experiência necessária para entender o que é fato e o que pode ser algo proveniente da imaginação.

# 8 – É possível um Espírito desencarnado se comunicar por meio de um animal, como um gato ou cachorro?

Não, não é possivel! A comunicação só pode ocorrer entre dois espíritos dotados da capacidade de raciocínio e de transmitir uma mensagem por meio de uma linguagem estabelecida e inteligível. No entanto, a literatura espírita nos mostra que os animais podem identificar a presença de um desencarnado e agir (como pular, miar/latir, ir na direção, etc). Identificar a presença, contudo, é diferente de estabelecer uma comunicação.

# 9 – É possível que um desencarnado envie uma mensagem com informações como a senha de um banco?

Sim, é possível, ainda que a maioria das psicografias tratem de assuntos como informações do estado do Espírito na Erraticidade.

Sugerimos a pesquisa sobre mensagens mediúnicas que foram aceitas em Tribunais como provas de processo.

# 10 – Qualquer pessoa pode receber a psicografia ou só quem nasce com esse “dom”?

Mais uma dúvida sobre o Espiritismo que costuma rondar os que pensam na mediunidade de psicografia.

O mais comum é que um médium, que nasce com essa capacidade, precisando educá-la para o trabalho, seja o responsável por captar a mensagem. Contudo, em O Livro dos Médiuns, são citadas maneiras de exercitar essa capacidade – que pode eclodir após bastante tempo que a pessoa está estudando, por exemplo.

# 11 – O que acontece com a pessoa após a morte? Os Espíritos que vagam podem nos fazer mal?

Após a morte do corpo físico, ou desencarne, os Espíritos retornam ao Plano Espiritual e continuam seu aprendizado, enquanto aguardam nova oportunidade de reencarnação. Continuam sendo o que eram quando encarnados, mais ou menos bons.

Apenas Espíritos menos esclarecidos podem desejar prejudicar um encarnado, mas mesmo que tenha esse desejo, só poderá exercer essa negatividade se o encarnado abrir uma brecha para sua ação – maus pensamentos e atitudes, por exemplo. A pessoa que se conduz no Bem, atrai Espíritos que estão nessa faixa vibratória (e vice-versa).

# 12 – Pode uma pessoa ter problemas espirituais e os mesmos reagirem no corpo físico?

Muitos têm essa dúvida sobre o Espiritismo. E, sim, essa possibilidade existe. Mas, como foi dito acima, só ocorre se o encarnado abrir espaço para ser influenciado a esse ponto.

Fazer o bem é uma maneira de evitar esse tipo de problema, que não é comum.

# 13 – Entendo, admiro e tento praticar as máximas do perdão, do amor ao inimigo, da reconciliação. Mas como proceder quando a outra parte não deseja o mesmo?

Infelizmente essa situação pode acontecer. E só nos resta fazer a nossa parte, ou seja, ficar bem e não guardar sentimentos negativos em relação à pessoa, aguardando o dia em que despertar para esse gesto. Até lá, não há nada a ser feito porque não podemos interferir no livre arbítrio das outras pessoas, mas procurar usar o nosso para boas escolhas – como as que são colocadas nesta pergunta e que fazem parte da proposta de educação do Espiritismo.

# 14 – Pessoas que trabalham em locais considerados “pesados”, como presídios, necrotério ou manicômio, devem buscar outro emprego? Se não o fizer, como proceder para evitar captar a energia pesada do ambiente?

Não é preciso se demitir do trabalho, essencial para a vida na matéria, por questões de energia do ambiente. Basta procurar manter o equilíbrio, tendo uma boa conduta no dia a dia, bons pensamentos, fazendo preces e, se preciso, recorrendo aos comprovados benéficos do Passe – que deve ser usado quando a pessoa sente-se desequilibrada.

É possível estar em qualquer ambiente, mesmo os citados aqui, e se sentir bem. Ou, ao contrário, estar em um local considerado positivo e com sensações negativas no interior. Nós somos os grandes responsáveis pelo equilíbrio que desejamos ter!

# 15 – Como saber se um ente querido que desencarnou está bem? Quanto tempo deve-se esperar para receber uma mensagem? Existe um limite de tempo, pós-desencarne para a comunicação ocorrer?

Como já dissemos, o Espíritos mantêm sua essência após o desencarne. Ou seja, se era uma boa pessoa, muito provavelmente, estará bem no Plano Espiritual. De toda forma, na Espiritualidade, recebe apoio de outros Espíritos mais esclarecidos para sua readaptação e bem-estar.

Não existe um tempo determinado para receber uma mensagem psicografada, tampouco é certo que ela virá. Há que se esperar e crer que os que se amam continuam juntos, ainda que pelo pensamento, podendo se encontrar nos momentos em que o encarnado dorme (lembrando desse encontro como se fosse um sonho) ou através do pensamento.

Por isso, é essencial que o encarnado mantenha bons pensamentos e as boas lembranças em relação a quem partiu. Isso vai ajudar bastante e dará forças para suportar a saudade que fica, mas que vai mudando com o passar do tempo. Sobre esse assunto, recomendamos ler nosso conteúdo sobre a importância do luto.

Gostou do Tira Dúvidas sobre o Espiritismo? Continue acompanhando nosso Blog, sempre com conteúdos esclarecedores sobre a Doutrina Espírita. Entre eles, sugerimos que confira outras perguntas e respostas:

A morte na visão Espírita – Leia e tire suas dúvidas

 

Deixe uma resposta